Eu gosto da sua timidez, do seu jeito quase ingênuo de se insinuar quando quer arrancar de mim o toque mais demorado ou quando o beijo pede para ser prolongado. Adoro o teu jeito polido de dizer que quer fazer amor comigo. Parece que nos falta ainda a intimidade de precisar de tanta educação, quando bastaria arrancar as minhas roupas. Eu nunca diria não.